Internet of Things

Emanuel Dimas de Melo Pimenta


If you think that the internet has changed your life, think again. The IoT is about to change it all over again!

Brendan O’Brien (Aria Systems)

The Internet will disappear. There will be so many IP addresses, so many devices, sensors, things that you are wearing, things that you are interacting with, that you won’t even sense it. It will be part of your presence all the time.

Eric Schmidt (Google)

The global industrial sector is poised to undergo a fundamental structural change akin to the industrial revolution as we usher in the IoT. Equipment is becoming more digitized and more connected, establishing networks between machines, humans, and the Internet, leading to the creation of new ecosystems that enable higher productivity, better energy efficiency, and higher profitability.

Goldman Sachs report.

Sarcasm: the last refuge of modest and chaste-souled people when the privacy of their soul is coarsely and intrusively invaded.

Fyodor Dostoevsky

I grew up with the understanding that the world I lived in was one where people enjoyed a sort of freedom to communicate with each other in privacy, without it being monitored, without it being measured or analyzed or sort of judged by these shadowy figures or systems, any time they mention anything that travels across public lines.

Edward Snowden

America will never be destroyed from the outside. If we falter and lose our freedoms, it will be because we destroyed ourselves.

Abraham Lincoln

The choice for mankind lies between freedom and happiness and for the great bulk of mankind, happiness is better.

George Orwell

People love – with all reason – to have access to a fabulous database like the Internet, which surely would make the most imaginative writers of the Arabian Nights feel very small. People love their cell phones and smartphones. They love so much that many sleep with them. It is a love that extends to the comfort provided by the still somewhat “mechanical” voices of the GPS devices, which calmly lead us like Ariadne led Theseus to annihilate the Minotaur. Or the audio-visual programs – often still in television – that reveal us lost civilizations, human universes that may be happening now, in real-time, on the other side of the planet.

To these, we can easily join a lot of other “loves” – many of which are invisible.

From wristwatches to surveillance cameras, from ATMs to augmented reality glasses, from services like Google to advertising and marketing programs – everything is networked, and such network implies a permanent connection between objects that communicate among themselves.

Labels with RFID tags – which means Radio Frequency Identification – can be on almost everywhere, ultra-miniaturized, denouncing the movement of the objects, their location – objects that can be practically anything we use, interacting with other “things”.

Léon Theremin, a Russian musician, and inventor, responsible for the invention of the fabulous musical instrument called theremin, entered into History as the father of the precursors of the RFID, in 1945, after an espionage device he created.

The concept of the IoT – Internet of Things started evolving especially since the early 1980s, when the speculation about the possibility of a world where objects would communicate with each other, connected in a network, started.

In 2014, Harvard Business School published an interesting study on the Internet of Things, where it says: “The rapid proliferation of connectivity, availability of cloud computing, and miniaturization of sensors and communications chips have made it possible for more than 10 billion devices to be networked. (…) Estimates suggest that IoT could be adding tens of trillions of dollars to GDP within ten years. It goes far beyond wearables, smart meters, and connected cars. Organizations worldwide are pushing  ahead with deployment and reaping benefits such as enhanced customer service,  increased revenue, and improved use of assets in the field. In addition, IoT has broad implications for sustainability, providing ways for consumers and businesses to use resources such as water and energy more efficiently. IoT is far from new. Companies have been using sensors and networks to provide a steady stream of information about where devices are, how they’re being used, their condition, and the state of their environment for more than 20 years. What’s helping to bring it to the forefront today is the explosive growth in mobile devices and applications and the broad availability of wireless connectivity. Other factors include the emergence of the cloud as a way to store  and process large volumes of data cost-effectively, and the rapid deployment of analytics technologies that enable enterprises to manage and extract useful information from large volumes of data, quickly and cost-effectively”.

But, as the ancient Romans taught, the god Janus is everywhere.

Janus was the god of change, of transformation, he was past and future, good and evil, enlightenment and obscurantism, present in one single head with two faces.

In 1997 I made an installation called Janus at Centro Cultural Belém, in Lisbon, Portugal, in the ambit of the CyberArts Festival. In that work, at the entrance, people were confronted with four large and powerful computers with four large screens, digital drawing tables, and hyper-pencils, with which visitors could draw. Those computers tremendously expanded the capabilities of the pencils, making very easy to change the texture, color, tactile sensitivity, serving as a doorway to images, and so on. Each visitor thus became, even before entering the exhibition, into an artist, through experimentation. But it was a deep involvement on the effect, entertainment, and immediate satisfaction. Enchantment without reasoning. Then, we had the questioning of what art is. That happened in the first part of the installation, in a universe of quality. As soon as people entered the space of the exhibition, they didn’t expect to see their drawings and digital paintings projected onto large surfaces of fabric – like those of a ship – inside a dark room, in real-time, through which they could walk. As time passed, they realized that what had been made by them was inevitably erased by who was entering the exposition. Everything was ephemeral, and that room full of luminous fabric surfaces was the concrete relation to life. But what people really didn’t expect is that at the end of the big exhibition, when they had already gone through all the artists, on the way out, they would be faced to large screens showing what people were doing at the entrance. Then, near the computers and inside the dark room, hidden cameras were scattered. In the end, everyone controlled everything, there was no more room for privacy.

In a sense, this is the reality of the Internet of Things. As it consolidates, it increases comfort and ends any possibility of democracy, because everything and everyone become known and controlled.

The Internet of Things, just like the universe of personal computers, smartphones, or almost any electronic device from the beginning of the twenty-first century, is nothing more than military equipment financed by its own victims – as I show in my book The Grasshopper Man. Everything would have started with the American military, and now it spreads through Europe and China among other countries.

We walk the streets and are permanently monitored. We make a purchase and all information belongs to a network. Faster or slower we walk, everything is detected. Our preferences, our political ideas, our sexual preferences, our behavior, everything is known.

This permanent vigilance and control, invisible and painless, implies a network of communication between things, a robotization of reality, the emergence of a parallel reality that is beyond our consciousness.

In 2017, I mapped the networks connecting “things” along Garrett Street, in one of the central zones of the city of Lisbon, in Portugal. I identified four hundred and thirty-one transmission and reception points along the seven hundred feet of the street.

A bombardment of electromagnetic waves every about 1,5 feet.

So the musical composition IoT was born, lasting forty minutes.

The course of this distance in forty minutes means walking at a speed of about a quarter of the normal pace, that is, going very slowly up the street – from Camões Square to the old Armazéns do Chiado.

Thus the musical composition IoT was born. From the four hundred and thirty-one points of the network of things scattered along Garrett Street, I selected five sets or five voices. Those points were placed inside a space elaborated inside Virtual Reality. Each time the person passes a point, a sound is emitted. The fifth voice, with only nine elements, has longer durations.

The trajectory reveals a web of network points, through which thousands of people pass, whose personal objects or “things” are sending and receiving information to and from other “things”.

This cloud of information, constituting the second city, is materially imperceptible, but it is present in virtually everything.

Again, as in prehistory, the boundaries of the individual are disintegrating in a process where everything is again environment.

The State automatically fills out our income statements; certificates, evidence and all kinds of documents are required as preventive actions; no privacy is allowed in the face of security; we give away our information every minute; there is practically no possibility of traveling or even moving without being subject to surveillance. But, paradoxically, crimes and terrorist attacks continue.

But, this doesn’t mean anything against technology. Technology is, ultimately, everything we do, our instruments, our means, and that’s what we think.

Everything is made of change, all the time.

New technologies, new ways to do, can only emerge with questioning, with the understanding of the world.

Which reminds us, Heraclitus, when he argued that “nothing endures but change”.



Internet das Coisas

Emanuel Dimas de Melo Pimenta


Se acha que a Internet mudou a sua vida, pense novamente. O IoT está prestes a mudá-la novamente!

Brendan O’Brien (Aria Systems)

A Internet desaparecerá. Haverá tantos endereços IP, tantos dispositivos, sensores, coisas que você está a vestir, coisas com as quais você está a interagir, que nem sentirá isso. Isso será parte da sua presença o tempo todo.

Eric Schmidt (Google)

O sector industrial global está pronto para se submeter a uma mudança estrutural fundamental semelhante à revolução industrial à medida que iniciamos o IoT. Os equipamentos estão a se tornar mais digitalizados e mais conectados, estabelecendo redes entre máquinas, humanos e Internet, levando à criação de novos ecossistemas que permitem maior produtividade, melhor eficiência energética e maior rentabilidade.

relatório Goldman Sachs

Sarcasmo: o último refúgio de pessoas modestas e puras quando a privacidade da sua alma é invadida grosseira e intrusivamente.

Fiodor Dostoiévski

Cresci com a ideia de que o mundo em que vivia era aquele em que as pessoas desfrutavam de uma espécie de liberdade de comunicação uns com os outros em privacidade, sem que fossem monitorados, sem que fossem medidos, analisados ou julgados por sombrias figuras ou sistemas, sempre que mencionassem algo que viajasse através de linhas públicas de comunicação.

Edward Snowden

A América nunca será destruída pelo lado de fora. Se falharmos e perdermos as nossas liberdades, será porque nos destruímos.

Abraham Lincoln

A escolha para a Humanidade está entre a liberdade e a felicidade; e para a grande maioria da Humanidade, a felicidade é melhor.

George Orwell

As pessoas amam – e com razão – ter acesso a um fabuloso banco de dados como é a Internet, e que seguramente faria corar de pequenez os mais imaginativos escritores das Mil e Uma Noites. Amam os seus telemóveis e smartphones. Amam tanto que muitos dormem com eles. É um amor que se estende à comodidade proporcionada pelas vozes – ainda um pouco “mecânicas” – dos aparelhos GPS, que nos levam tranquilamente como Ariadne conduzia Teseu para aniquilar o Minotauro. Ou aos programas audiovisuais – geralmente ainda na televisão – que nos revelam civilizações perdidas, universos humanos que podem estar a acontecer agora, em tempo-real, do outro lado do planeta.

A esses, podemos facilmente juntar uma grande quantidade de outros “amores” – muitos dos quais são invisíveis.

De relógios de pulso a câmeras de vigilância, de caixas multibanco a óculos de realidade aumentada, de serviços como o Google aos programas de publicidade e marketing – tudo está ligado em rede, e essa rede implica uma permanente conexão entre objectos, que se comunicam.

Etiquetas com placas RFID – que significa Radio Frequency Identification – podem estar em praticamente qualquer lado, ultra miniaturizadas, denunciando o movimento dos objectos, onde eles estão – objectos que podem ser praticamente qualquer coisa que utilizamos, interagindo com outras “coisas”.

Léon Theremin, músico e inventor Russo, responsável pela invenção do fabuloso instrumento musical theremin, entraria para a história como o pai dos precursores dos RFID em 1945, a partir de um equipamento de espionagem por ele criado.

O conceito da Internet das Coisas, abreviado em IoT, passou a evoluir especialmente a partir do início dos anos 1980, quando começou a se especular sobre a possibilidade de um mundo onde os objectos comunicariam entre si, ligados em rede.

Em 2014, a Harvard Business School publicou um interessante estudo sobre a Internet das Coisas, onde diz: “A rápida proliferação da conectividade, a disponibilidade de computação em nuvem, e a miniaturização de sensores e chips de comunicação possibilitaram a criação de mais de dez mil milhões de dispositivos. (…) As estimativas sugerem que a IoT poderia estar a adicionar dezenas de triliões de dólares ao PIB dentro de dez anos. Ela vai para muito além dos produtos de tecnologia, dos medidores inteligentes e dos carros conectados. Organizações em todo o mundo estão a avançar com os benefícios de implantação e retorno, como melhor atendimento ao cliente, aumento de receita e melhor uso de activos no campo. Para além disso, a IoT tem amplas implicações em relação à sustentabilidade, provendo maneiras para consumidores e empresas usarem recursos, tais como água e energia, de forma mais eficiente. A IoT está longe de ser nova. As empresas têm usado sensores e redes para fornecer um fluxo constante de informações sobre onde os dispositivos estão, como eles estão sendo usados, suas condições e o estado do seu ambiente, ao longo de mais de vinte anos. O que está a ajudar a trazê-la para a frente hoje é o crescimento explosivo em dispositivos móveis e aplicativos e a ampla disponibilidade de conectividade sem fio. Outros factores incluem o surgimento da nuvem como forma de armazenar e processar grandes volumes de dados de maneira económica e a rápida implantação de tecnologias analíticas que permitem às empresas administrar e extrair informações úteis de grandes volumes de dados de forma rápida e económica”.

Mas, como ensinavam os antigos Romanos, o deus Jano está por todo o lado.

Jano era o deus da mudança, da transformação, ele era passado e futuro, bem e mal, iluminação e obscurantismo, presentes numa só cabeça com duas faces.

Em 1997 fiz uma instalação chamada Jano no Centro Cultural Belém, em Lisboa, no âmbito do Cyber Art Festival. Nesse trabalho, logo à entrada, as pessoas eram confrontadas com quatro grandes e poderosos computadores, com quatro grandes écrans e mesas digitais de desenho com híper-lápis, com os quais os visitantes podiam desenhar e pintar. Os computadores expandiam de forma fabulosa as potencialidades daqueles lápis, podendo mudar de textura, cor, sensibilidade táctil, servir como portas para imagens e assim por diante. Cada visitante se tornava, dessa forma, mesmo antes de entrar na exposição, num artista, através da experimentação. Mas, aquilo era um maravilhamento diante do efeito, entretenimento e satisfação imediatas. Encantamento sem razão. Aqui, tinha início o questionamento sobre o que é arte. E isso acontecia no primeiro segmento da instalação, num universo de qualidade. O que as pessoas não esperavam é que assim que entravam no recinto da exposição, percebiam que os seus desenhos estavam projectados sobre grandes telas de tecido – como as de um navio – numa sala escura, em tempo-real, através das quais podiam caminhar. Conforme o tempo passava, viam que aquilo que tinha sido feito por eles era inevitavelmente apagado por quem estava entrando na exposição. Tudo era efémero, e essa sala cheia de telas luminosas era a relação concreta com a vida. Mas, o que as pessoas de facto não esperavam é que no final da grande exposição, quando já tinham passado por todos os artistas, à saída, deparavam-se com grandes écrans mostrando o que as pessoas estavam a fazer na entrada. Então, tanto junto aos computadores como na sala escura das telas, estavam espalhadas câmeras escondidas. No final, todos controlavam tudo, não havia mais espaço para a privacidade.

Num certo sentido, essa é a realidade da Internet das Coisas. Conforme ela se consolida, aumenta o conforto e termina qualquer possibilidade de democracia, porque tudo e todos passam a ser conhecidos e controlados.

A Internet das Coisas, tal como o universo dos computadores pessoais, dos smartphones ou de praticamente qualquer equipamento electrónico a partir do início do século XXI, nada mais é que equipamento militar financiado pelas suas próprias vítimas – como mostro no meu livro O Homem Gafanhoto. Tudo terá começado com as forças armadas dos Estados Unidos, e agora se espalha pela Europa e China entre outros países.

Caminhamos pelas ruas e estamos a ser permanentemente monitorados. Fazemos uma compra e toda a informação passa a pertencer a uma rede. Caminhamos mais rápido, ou mais lentamente, tudo é detectado. As nossas preferências, as nossas ideias políticas, as nossas preferências sexuais, o nosso comportamento, tudo é conhecido.

Essa permanente vigilância e controlo, invisível e indolor, implica uma rede de comunicação entre coisas, uma robotização da realidade, a emergência de uma realidade paralela que está para além da nossa consciência.

Em 2017, fiz um mapeamento das redes que conectam “coisas” ao longo da Rua Garrett, numa das zonas centrais da cidade de Lisboa. Identifiquei quatrocentos e trinta e um pontos de transmissão e recepção ao longo dos duzentos e dez metros da rua.

Um bombardeio de ondas electromagnéticas a cada meio metro.

Assim nasceu a composição musical IoT, com duração de quarenta minutos.

O percurso dessa distância em quarenta minutos significa caminhar a uma velocidade de cerca de um quarto do ritmo normal de caminhada, isto é, percorrer a rua – do Camões aos antigos Armazéns do Chiado – muito lentamente.

Dos quatrocentos e trinta e um pontos da rede das coisas espalhados ao longo da Rua Garrett, seleccionei cinco conjuntos, ou cinco vozes. Aqueles pontos foram colocados dentro de um espaço elaborado em Realidade Virtual. Cada vez que a pessoa passa por um ponto, um som é emitido. A quinta voz, com apenas nove elementos, tem durações maiores.

O percurso revela uma trama de pontos de rede, pela qual passam milhares de pessoas, cujos objectos, ou “coisas”, pessoais vão enviando e recebendo informação a outras “coisas”.

Essa nuvem de informação, constituindo uma segunda cidade, é materialmente imperceptível, mas está presente em praticamente tudo.

Novamente, tal como acontecia na pré-história, os limites do indivíduo vão se desintegrando num processo onde tudo volta a ser ambiente.

O Estado preenche automaticamente as nossas declarações de renda; certidões, provas e todo o tipo de documentos nos são exigidos como acções preventivas; nenhuma privacidade é admitida face à segurança; cedemos nossas informações a todo o minuto; praticamente não existe mais a possibilidade de deslocação sem se estar sujeito à vigilância. Mas, paradoxalmente, os crimes e ataques terroristas continuam.

Mas, isso não significa algo contra a tecnologia. Tecnologia é, em última análise, tudo o que fazemos, os nossos instrumentos, nossos meios, e é o que pensamos.

Tudo é feito de mudança, todo o tempo.

Novas tecnologias, novos fazeres, apenas podem emergir com o questionamento, com a compreensão da realidade.

O que nos faz lembrar Heráclito quando dizia “Nada permanece, apenas a mudança”.